Pastor Marco : FIDELIDADE- INTIMIDADE- SANTIDADE

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

FIDELIDADE- INTIMIDADE- SANTIDADE


Se analisarmos palavra por pala-vra na Bíblia, veremos que nenhuma delas foi escrita sem propósitos. Tanto que, cada vez que lemos a Palavra de Deus, a Bíblia, recebemos algo novo de uma mesma palavra. Algo sobrenatural, inexplicável. Também não é em vão que determinado personagem e suas atitudes são mencionados. Podemos e devemos aprender com cada um deles.E é justamente isso que faremos nesta edição da Série Mensagens. Vamos aprender um pouco sobre as atitudes de Abel, Enoque, Noé, Abraão, Isaque, Jacó e José, conhecidos também como “homens de fé”. Eu creio que o Pai falará poderosamente com você por meio desta leitura. Para isso, você só precisa abrir o seu coração e quebrantar-se diante do Deus vivo
Essa é a minha oração:
“Pai, neste momento, quando vamos estudar a tua Palavra, nosso coração deseja ouvir a tua voz, pois queremos obedecê-la Senhor. Que a tua Palavra possa nos edificar, nos consolar e nos exortar, como sempre faz. Queremos ter o nosso coração aberto. Não queremos ser apenas ouvintes, queremos que, realmente, a tua Palavra seja transformada em palavra viva.
Queremos ser transformados a partir de uma visão nova, com o nosso coração restaurado pelo Senhor. Use a tua Palavra para trazer alento e esperança aos nossos corações. Muito obrigado por cada vida e por aqueles que estão lendo essa mensagem. Que a tua graça, a tua unção e a tua presença possam envolvê-los onde estiverem. Eu reivindico cada vida, para o louvor da glória do teu nome. Em nome de Jesus! Amém!”
Em Hebreus, capítulo 11, encontramos sete homens de fé: Abel, Enoque, Noé, Abraão, Isaque, Jacó e José. No primeiro capítulo do livro de Gênesis, lemos acerca da criação do mundo, que se dera em seis dias, sendo o sétimo o dia em que Deus descansou. Lendo acerca desses sete homens, podemos encontrar uma chave para compreendermos estes sete dias. No primeiro capítulo de Gênesis, há algo muito bonito! O verso 5 termina assim: “...Houve tarde e manhã, o primeiro dia.” No verso 8 igualmente lemos: “... Houve tarde e manhã, o terceiro dia.” Assim é também no verso 13: “...Houve tarde e manhã, o quarto dia.”; no verso 19: “...Houve tarde e manhã, o quarto dia.”; no versso 23: “...Houve tarde e manhã, o quin-to dia.”; e no verso 31: “... Houve tarde e manhã, o sexto dia.” Repare que em todos esses versos, é dito tarde e manhã. Não há menção da noite. Na nossa lógica natural noite é escuridão. Veja o que diz o salmista Davi no Salmo 46, verso 5, a parte b: “Deus a ajudará desde a antemanhã.” Ele ainda diz no Salmo 30, verso 5: “Ao anoitecer, pode vir o choro, mas a alegria vem pela manhã.” Na Bíblia diz também sobre a terrível e tremenda noite de Jesus no Getsêmani, quando sabia do que lhe estava reservado. No momento de sua crucificação, a tarde como que transformou-se em noite, pois toda a escuridão cobriu os céus, e Terra. Em todo o primeiro capítulo de Gênesis encontramos a expressão “Houve tarde e manhã.” Não é que não houvesse a noite, mas o registro, que é o espiritual, nos traz a compreensão de que houve tarde e manhã. Ao lermos acerca dos sete homens mencionados em Hebreus 11, veremos que a noite na vida de alguns deles foi algo tão difícil. Interessante que não é mencionado Adão em Hebreus 11. Isso porque a nova criação é contada a partir de Abel. E na história de Abel vemos como ele conhecia o Senhor. No capítulo 1 de Gênesis, verso 3,lemos: “Disse Deus: Haja luz; e houve luz. E viu Deus que a luz era boa; e fez separação entre a luz e as trevas. Chamou Deus à luz Dia e às trevas, Noite. Houve tarde e manhã, o primeiro dia.” A salvação começa com a luz, com o conhecer o Senhor. Lembra-se de como o apóstolo Paulo, outrora chamado Saulo, se convertera? Enquanto caminhava sobre a estrada rumo a Damasco, uma Luz forte veio sobre ele, a ponto de tê-lo feito cair do cavalo em que estava. Seu desespero em meio à escuridão fora tão grande, que quis saber o que era aquilo. E justo em meio a essa sua escuridão, em meio às suas trevas, ele ouve a voz indagando: “Saulo, Saulo, por que me persegues?” Era o próprio Jesus quem falava.Assim como foi com Paulo, quando conhecemos a Jesus, a luz invade e adentra nossa vida. É a luz do conhecimento e da verdade, que liberta e trans-forma, a ponto de podermos distinguir o certo do errado, o pecado da santidade, o que agrada e o que não agrada a Deus. Diz a Palavra: “Viu Deus que a luz era boa; e fez separação entre a luz e as trevas.
Continua no próximo capitulo.

Sem comentários:

Enviar um comentário