Pastor Marco : Os grandes segredos da criação parte 1 relacionamento

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Os grandes segredos da criação parte 1 relacionamento

O Talmud (Yevamot 63b) relata que era costume antigamente em Israel perguntar a um recém-casado "Encontrou ou acha?"
A pergunta refere-se a uma aparente contradição entre duas declarações do Rei Salomão, o mais sábio dos homens. 
No Livro dos Provérbios (18:22) ele declara: 
"Aquele que encontrou uma mulher encontrou o bem."

Porém, em Cohêlet  (Eclesiastes) 7:26ele afirma: "E acho a mulher mais amarga que a morte."
Embora estes dois versículos pareçam transmitir imagens conflitantes da mulher, se os examinarmos mais detidamente, percebemos algumas sutis diferenças gramaticais que explicarão a aparente discrepância.
Para começar, o verbo no versículo anterior está no passado - "aquele que encontrou uma mulher", ao passo que no último está no tempo presente - "e eu acho a mulher".
De acordo com nossa tradição (Zohar 343b), as almas do casal que realmente combina derivam de uma só essência de alma. Por esta razão, os dois já antes de nascer estão destinados a se unirem em matrimônio. O uso do tempo passado para afirmar o bem a ser encontrado no casamento sugere que - tanto no processo de procurar uma mulher como ao se relacionar com a mulher que desposou - um homem deve se esforçar para descobrir e se concentrar nesta identificação profundamente enraizada e mutuamente compartilhada.
Se ele ignorar esta instrução e, ao contrário, concentrar-se na gratificação passageira de seus desejos e gratificações imediatos - como sugerido pelo tempo presente empregado no segundo versículo - o relacionamento inevitavelmente será amargo.
Refere-se a isto também pelo fato de que no primeiro versículo o verbo ("aquele que encontrou") seja seguido diretamente pelo objeto ("uma mulher"), implicando que aquilo que o marido procurou e encontrou é de fato sua mulher. Sua mente e coração se concentram nela, e sua preocupação consciente é satisfazer suas necessidades e as de sua família, como opostas às suas próprias. Este é o alicerce de uma vida conjugal feliz.
No segundo versículo, entretanto, (que no original diz literalmente "e acho eu mais amarga que a morte a mulher"), o sujeito ("Eu") é interposto entre o verbo ("acho") e seu objeto ("mulher"), desta maneira implicando que o homem está realmente mais preocupado em encontrar-se a si mesmo - i.e., com sua própria auto-gratificação.
Dessa maneira, a abnegação é a chave para "encontrar" e relacionar-se com a esposa ao nível de sua alma-raiz comum. O marido egocêntrico será incapaz de conseguir um relacionamento genuíno e mútuo com sua mulher que se tornará mais doce com o tempo, ao invés de ficar mais amargo.
Embora neste caso o marido possa sentir que a mulher tornou-se "mais amarga que a morte", na verdade é seu próprio "Eu" interposto (que ele projeta sobre ela) que assim se tornou. Isso é indicado pelo fato de a frase "mais amarga que a morte" seguir diretamente a palavra "Eu", mesmo antes de se mencionar "a mulher".
Examinemos os versículos novamente. 
O primeiro diz na sua forma completa: "Aquele que encontrou uma mulher encontrou o bem, e provocará [boa] vontade de D'us."
O segundo verso diz na sua forma integral: 
"E eu acho a mulher mais amarga que a morte, pois seu coração é uma armadilha traiçoeira, e suas mãos são grilhões. Aquele que é bom perante D'us fugirá dela, mas aquele que peca será apanhado por ela." 
 Em outras palavras, assim como o Rei Salomão chama o relacionamento positivo entre marido e mulher de "bom", assim ele chama a fuga de uma relação negativa de "boa". O marido que anteriormente procurava a si mesmo começa seu retorno ao "bom" estado, reorientando sua consciência
de tal forma que fica "perante D'us" ao invés de ficar preocupado apenas com si mesmo. Ao fazê-lo, ele "foge dela", i.e., da imagem de seu próprio ego que ele projetou sobre sua mulher. Apenas então pode começar a encontrar sua verdadeira alma gêmea.       
Deus abençoe.                                                                            

Sem comentários:

Enviar um comentário